Bem-vindo a uma paixão!

Você está diante do primeiro e único blog sobre a
História de Porto Walter, pensado e organizado por um historiador portuwaltense.
Para tornar-se co-autor, deixe seu comentário ou envie um e-mail para: franciney.czs@gmail.com


sexta-feira, 29 de março de 2013

Francisco Paulo da Silva (1935-2013)


Porto Walter de luto.

Faleceu ontem em Cruzeiro do Sul Paulo Francisco da Silva, o Paulo Chico. Um dos pioneiros portuwaltenses, filho de cearenses (Manoel Francisco da Silva e Maria Salomé da Silva) nasceu em 1935 em Porto Walter onde viveu seus 77 anos.

Casado com Zuleide Amorim de Lima (filha de Vicente Lopes e Isaura Amorim). O casamento foi realizado pelo ainda Padre Henrique Ruth em 1962.

Tiveram 10 filhos (dois morreram antes de completar um mês): Francisco Paulo lima da Silva, Vicente Lima da Silva, Manoel Francisco Lima da Silva(Manuca), Isaura Maria Lima da Silva, Francisco Alcidemar Lima da Silva, Rosalice Lima da Silva, Vera Lúcia Lima da Silva (falecida), José Erisson Lima da silva. São 22 netos e 3 bisnetos.

segunda-feira, 24 de dezembro de 2012

Novas fotos de Porto Walter no Google Earth

Com o intuito de divulgar o município adicionamos novas fotos de Porto Walter no Google Earth.

Daqui a alguns dias já deverá estar disponível. A câmera (uma sansung 12 megapixels) não oferece muitos recursos mas deu para quebrar um galho.  

Para visualizar todas as minhas fotos (inclusive de Cruzeiro do Sul basta acessar o link abaixo ou na imagem (que é uma delas):

 http://www.panoramio.com/user/3483215

domingo, 21 de outubro de 2012

Conheça o prefeito eleito de Porto Walter e suas propostas

Clique na foto e confira
E suas propostas para Porto Walter...


domingo, 14 de outubro de 2012

Se é sobre Porto Walter...


Só sete prefeitos tem curso superior; Barbary é quase analfabeto
Entre os prefeitos acrianos com baixa escolaridade está Vagner Sales(PMDB). Dos sete novos prefeitos, três são formados em medicina.
Veja a postagem completa AQUI


Fonte: Voz do Acre com informações de Gina Menezes, da Agência ContilNet

quarta-feira, 20 de junho de 2012

Enquanto não tiveres conhecido o inferno, o paraíso não será bastante bom para ti. Provérbio curdo.


Essa, do site Voz do Acre, só contando com a "seriedade" do Mutley o bom cachorro detetive parceiro do Dick Vigarista.
Eh, Porto Walter, que Deus te proteja ou te abandone de vez!!!

sexta-feira, 18 de maio de 2012

Grandes temporais se anunciam com uma leve brisa...


Agora que a poeira sentou um pouco posso enfim me posicionar sobre Porto Walter. Sei que os amigos (e os inimigos, será que os tenho?) andaram buscando insistentemente neste espaço alguma frase, uma linha que fosse, algo que demonstrasse o meu juízo de valor sobre as prisão do prefeito acusado de várias ilicitudes. 


Quatro décadas vividas não me permitem mais julgar com a emoção.

Sou portuwaltense e por isso mesmo poderia julgar. Entenda como quiser, me acuse de pedantismo, mas preciso informar aos desavisados que ninguém conhece mais a história de Porto Walter do que eu. Que ninguém conseguiu juntar mais informações, mais fotos, mais documentos (sobre os mais variados temas) que eu consegui juntar em mais de 14 anos de pesquisa.

Que ninguém conseguiu entrevistar mais pessoas, alguns hoje já falecidos (de quase todas as principais famílias que povoaram a localidade desde os primórdios).

Eu conheço a história familiar de quase todos os "donos" de Porto Walter. Desde os "santos" até os "mercenários". Portanto, como descendente de família pobre, não me peçam para dar nome aos opressores, nem descrever suas práticas. Não por enquanto...

Devo informar também, que ninguém sente mais saudade de casa... Que na Porto Walter dos meus sonhos de adolescente ninguém se ensoberbece, ninguém precisa ter patrão e os roçados, as matas e os lagos proverão nossas necessidades. Nela não há fazendeiros, não há mais-valia, não há subserviência, não há vilipêndio. 

Por isso me amparo no direito de não julgar, sem contudo deixar de alertar aos incautos.

Normalmente nos momentos de angústia, como os de agora, o povo resolve dispersar ou trilhar caminhos conduzidos por líderes inescrupulosos. Meu comentário é direcionado ao futuro, por isso o título GRANDES TEMPORAIS SE ANUNCIAM COM UMA LEVE BRISA. 

O futuro de Porto Walter (se tudo ocorrer como esperam os "salvadores da pátria" ou os "santos" de agora) pode ser ainda pior e o temporal de agora poderá ser comparado a uma simples brisa. Tomara que não.

O que me assusta é que a massa indefesa resolva retornar a 60 anos atrás, na economia e na lei. Tomara que não, também.

sábado, 10 de março de 2012

Seu Javan em Miolo de Pote.

A postagem do mês é ipsis litteris do blog Miolo de Pote do historiador Marcos Vinícius Neves. Foi publicada em 07 de janeiro. Monumento vivo da história de Porto Walter, Seu Javan impressiona pela lucidez e simplicidade.

O mundo todo é aqui
(Entre o Paraná dos Mouras e Porto Walter)

Neste ano viajei por boa parte do interior do Acre. Agora já conheço todos os municípios acreanos. Isso me levou a tentar escrever uma série de artigos para outra coluna de jornal que estava planejando. A tal coluna aconteceu, a série que iria se chamar “Viagem ao interior do Acre” não. Assim, pra abrir o ano da coluna Miolo de Pote, hoje trago o artigo que deveria ter inaugurado aquela série.
“Acreditar em Mil Acres,
Na força dos fracos,
Ficar por aqui...” (Beto Brasiliense)

Assim que chegamos ao lugar da reunião vimos um tranquilo senhor que aguardava na porta do auditório. Um rápido olhar era capaz de denunciar que aquele homem, que atendia pelo original nome de Javan, já havia vivido muito e que nem sempre as coisas lhe tinham sido fáceis. Um olho castigado, quase fechado, dava uma estranha assimetria ao seu rosto repleto de rugas e marcas do tempo e contrastava com o corpo bem ereto, sem sinais aparentes de fragilidade. Ainda assim possuía tal brilho no olhar e no inacreditável sorriso que não dava margem a duvida quanto à dimensão de sua dignidade. O que logo foi confirmado quando lhe perguntamos sua idade: 94 anos.
A conversa iniciada na porta se estendeu até o interior do auditório, enquanto as pessoas chegavam e se acomodavam para o programado encontro com os dois senadores. E mesmo sentados distantes um do outro o Senador Jorge Viana e Seu Javan continuavam conversando, quase sem perceber a grande movimentação de pessoas que acontecia ao redor. Até que o Senador não resistiu e se levantou para ficar novamente junto dele.
E, em poucos minutos, Seu Javan contou uma parte de sua longa trajetória.
- Seus pais vieram de onde?
- Vieram do Pará.
- É mesmo? Não é fácil encontrar pessoas do Pará aqui pelo Acre. Eles vieram quando?
- Em 1895. Vieram para o Paraná dos Mouras e por lá se estabeleceram.
- E como o senhor veio parar aqui em Porto Walter?
- Bem, eu tinha vinte anos, lá onde a gente morava não tinha mulher e eu queria ganhar a vida. Por isso vim pra cá, trabalhar com seringa que naquele tempo dava muito.
- É mesmo? Era movimentado, então?
- Rapaz era bom demais, só de vapores grandes vinham cinco todos os anos...
E, enquanto Seu Javan recitava de memória, sem titubear, os nomes dos tais vapores grandes, o povo espalhado na sala, agora cheia, começava a ficar impaciente com a extensão daquela conversa que parecia não ter fim. Refletindo o momento, o Prefeito decidiu então ir começando as falas no microfone. Mas nem isso foi capaz de interromper a conversa dos dois.
- E o senhor já foi a Rio Branco Seu Javan?
- Que nada menino. A cidade maior que conheço é Cruzeiro do Sul.
Neste momento, nem o som dos alto falantes que se sobrepunham as todas as outras vozes, foi capaz de apagar a surpresa do rosto do Senador que já teve a oportunidade de viajar por meio mundo.
- Quer dizer que o senhor nunca saiu daqui?
- Não meu filho.
- Mas... O senhor quer ir a Rio Branco? Eu o levo...
- Quero não meu amigo. Tô feliz por aqui mesmo...
Neste ponto se tornou totalmente impossível continuar a conversa. Primeiro porque todos no auditório estavam pra lá de ansiosos com tanta espera e depois porque o impacto da convicção com que Seu Javan via o mundo era avassalador e não deixava espaço para outras considerações. Ele acabara de revelar, com imensa simplicidade, o mesmo tipo de conhecimento profundo que já foi expresso há milhares de anos atrás, por outro grande sábio, lá no distante oriente: “A noção de que cada ser no mundo é um mundo em si.” (Confúcio).
Também pudera. Como é imenso o mundo de Seu Javan! Tem o tamanho da grandeza do Juruá e de suas florestas que se estendem pra muito alem de onde alcança a vista. Um mundo tão incomensurável que poucos devem ser capazes de efetivamente conhecê-lo no espaço de uma vida...
Era fim de tarde quando deixamos Porto Walter. Nos meus ouvidos ainda ecoava o olhar, o sorriso e as palavras de Seu Javan que, generosamente, acabara de ensinar o sentido de ter uma boa vida. Impossível não entender, então, que pra ser feliz não precisamos de nada daquilo que nos acostumamos a desejar em nossa tragicômica sociedade de consumo desenfreado, mas apenas amar nosso lugar e dar valor a cada pequena conquista da vida.
Grande Seu Javan!